NO AR
TOCANDO
EM DOURADOS
04/08/2022 09h04min - Geral
1 semana atrás

Curso do Senar/MS ensina a fabricar conservas e evitar desperdícios

Cidades de MS terão o curso gratuito neste mês.

WEB ► 

Redação / comercial@grandefm.com.br
Fonte: Grande FM


Cenoura, cebola, pimenta e gengibre são apenas algumas das matérias primas utilizadas na fabricação de conservas comuns nas prateleiras dos estabelecimentos comerciais. Você já pensou em fazer sua própria conserva caseira com produtos da sua horta? Essa é a proposta de um curso de Formação Profissional Rural oferecido gratuitamente pelo Senar Mato Grosso do Sul, tema da editoria #EducaçãonoCampo desta quarta-feira (03).

“Se você tem uma horta no quintal de casa pode produzir conservas. É uma alternativa para evitar desperdícios. Se você cultiva quiabo, chuchu, por exemplo, com toda certeza terá um volume considerável de matéria-prima ainda fresca e dá para produzir vários potes de conservas mistas com duas variedades de legumes ou seletas com três ou mais variedades”, explica a instrutora, Eunice Ramalho Ramos.

Apesar de ser simples, alguns detalhes podem fazer a diferença na hora da fabricação. “Para lavar adequadamente, fazer a seleção dos legumes, cortar, lavar, esterilizar os potes, retirar as bolhas de ar e fechar corretamente existe técnica. Se tudo for feito conforme a orientação, a sua conserva pode durar até seis meses, nos casos de pimenta a durabilidade é muito maior, até dois anos. 

Qualquer tipo de hortaliça pode virar conserva, mas é interessante aproveitar a época de cultivo dos legumes e os preços praticados no mercado, critérios que ajudam na escolha de qual legumes escolher. 

Sobre o preço, de acordo com a instrutora, não existe regra, mas uma dica pode ajudar a fechar o preço do seu produto. “Você pode somar o valor das hortaliças utilizadas em uma receita, multiplicar por três e adicionar 10% sob o valor, além é claro, de somar o custo com a embalagem que é o que mais pode pesar no investimento”, detalha. 

O pote de conserva de hortaliças de 600 gramas pode ser vendido por R$ 15 e a conversa do gengibre em torno de R$ 25. 

A capacitação também ensina a preparar alguns temperos e receitas como antepasto de berinjela e abobora defumada. 

Ficou interessado?  informações você pode procurar pelo sindicato rural do seu município.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul - Ellen Albuquerque



•  

Grande FM
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.